Avaliação Capes

Os cursos de pós-graduação stricto sensu do Brasil são credenciados e avaliados pela CAPES, órgão do Ministério da Educação. Os cursos são avaliados a cada triênio por especialistas da área segundo os seguintes parâmetros:

  • Proposta do Programa
  • Corpo Docente
  • Corpo Discente, Teses e Dissertações
  • Produção Intelectual
  • Inserção Social

É interessante registrar que em 1990 o governo Collor decidiu extinguir a CAPES. Houve uma reação da comunidade científica e logo o órgão foi recriado, instituindo a partir de 1992 o sistema alfabético de avaliação. O atual sistema numérico de avaliação (de 3 a 7) foi implantado para o triênio 1998-2000. Cursos com notas inferiores a 3 são descredenciados.

Segundo o Relatório de Avaliação 2010-2012, as notas 6  e7 são dadas a programas nos quais “a internacionalização é evidente através de convênios produtivos e com resultados expressivos na produção intelectual, mas também no sentido que estes programas vêm atingindo padrões internacionais, ou seja, comparáveis a grandes centros na área no exterior.”  Além disso são consideradas a capacidade de liderança nacional e mesmo internacional e a capacidade de nucleação. A nota 7 é atribuída a cursos que, além de todas as características que marcam um Programa nota 6, obtiveram a nota 6 por pelo menos 2 triênios consecutivos e destacam-se em parâmetros como liderança nacional e reconhecimento internacional.

Na trienal de 2013, referente ao período de 2010 a 2012, pela primeira vez a nota 7 foi atribuída na área de Filosofia. Esta foi dada concomitantemente aos Programas da UFMG e da USP, reconhecendo a efetiva internacionalização destes.

Os critérios detalhados e outras informações sobre a avaliação dos Programas de Pós-Graduação podem ser encontrados no site da CAPES.

Ficha de avaliação do Programa no triênio 2010 a 2012.